Tombamento Estadual Tombamento Municipal

5 - Casa de Gomes de Freitas

Rua Bento Gonçalves, 59 (Antiga Rua Clara).

Construída por volta de 1830, de Serafim José da Silveira, avô de Manuel José Gomes de Freitas. Gomes de Freitas era Juiz de Paz em Piratini quando irrompeu a Revolução Farroupilha. Para evitar envolvimento no conflito retira-se para o Uruguai. Retorna cinco (5) anos depois como Juiz Municipal. Na segunda metade do século 19, como presidente da Câmara Municipal de Piratini, manda construir um novo cemitério, a Cadeia Pública e a Casa da Câmara. Foi deputado e vice-presidente da Província entre 1875 e 1879. Era oficial da “Ordem da Rosa“ e membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico da Província de São Pedro do Sul. Falava Inglês, Alemão, Espanhol e Frances, além da sua língua materna. Escreveu vários livros, entre eles: Apontamentos dos Fatos Diretos ou Relativos à História do Brasil, Lista de Batalhas desde 753 a.C. até 1860, Bosquejos das Nações e Pormenores Notáveis da História Universal e Pátria, Vila de Piratini e Notícia Histórica, Geográfica e Descritiva. Habitava esta casa quando na cidade, mas passava a maior parte do seu tempo na Estância São Frutuoso, onde morreu em 1884 aos 73 anos.

Edificação com características tradicionais da arquitetura luso-brasileira, de segunda época, com equilíbrio entre cheios e vazios. Telhado em quatro águas, com galbo, em telhas de capa-e-canal com beiral e cimalha. Aberturas com vergas retas, portas com bandeiras e janelas em guilhotina.

Tombado pelo IPHAE em 1986 e tombado pelo Município em 1956.